Publicações | Destaques

O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes brasileiras, em plena renovação. É o que demonstrou a oficina “O teatro e os modernistas (1922-1942)”, de Larissa de Oliveira Neves. 

Conhecedora das artes dramáticas no Brasil, das encenadas sobre palcos requintados às performadas em praças ou sob as lonas de circos, Larissa abordou o que seja teatro modernistas segundo o contexto nacional. Desfez-se, assim, dos preconceitos que usam apenas trenas europeias para medir sorrisos e saltos ao sul do equador. A oficina preferiu trabalhar não com um ideal alienígena de modernismo, mas com o concretizado dentro da própria dinâmica das culturas brasileiras. 

Para tanto, trouxe à luz da ribalta Antônio de Alcântara Machado, cuja obra crítica foi determinante para que nomes como Oswald de Andrade (O Rei da Vela, 1933) e Mário de Andrade (Café, 1942) criassem peças únicas, infiltradas de elementos característicos dos festejos populares ou do teatro de revista. Algo que para os esquadros europeus, clássicos ou vanguardistas, talvez soasse, de fato, como um “teatro bagunça”, termo cunhado por Machado. 

E para além dos debates, por si só uma nova janela no horizonte dos participantes, foram todos convidados a experimentar a composição de textos dramáticos. Cada vez mais temos confirmado, dentro deste projeto, que a escrita literária, realizada como gesto didático ou lúdico, amplia enormemente as competências leitoras de alunos e professores. Aproveite, leitor, que a luz já se apaga e as cortinas vão se abrindo! 


Leia também

Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP