Publicações | Destaques

O videoclipe dá sua letra

Freepik / Frimufilms.

Algumas pessoas vão olhar para essa oficina – “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo” – e não vão entender nada. Como assim videoclipe num site sobre “Literatura Brasileira no XXI”? Outras tantas, mais irônicas talvez, podem dizer que pelo menos o recorte temporal está correto: os clipes apresentados são todos desse século em que estamos. E se as pessoas irônicas forem também generosas, elas saberão que, às vezes, estar um pouquinho certo é o que basta. Contudo, é importante dizer, não é o caso aqui, e a Biblioteca Parque Villa-Lobos acertou na mosca quando encampou a oficina ministrada pelo professor Rodrigo Ribeiro Barreto. Não se trata sequer do tema, este sempre urgente, hoje como nunca. Ao trazer para o primeiro plano o lugar LGBTQIA+ numa mídia com tanto impacto quanto o videoclipe (que, ao contrário do que se pensa, vai muito bem, obrigado), Barreto apresenta também um processo de construção social de uma autoimagem própria, orgulhosa de si. Como se vê, nada mais adequado para o mês de junho. 


Mas não é só no tema que se acerta. Imaginar que literatura diga respeito apenas à palavra escrita é de uma restrição sem tamanho, equivocada já há algum tempo. As manifestações folclóricas de caráter oral, para ficar num exemplo mais fácil, também fazem parte do acervo literário brasileiro. É igualmente o caso dos slams, para trazer um exemplo urbano. Nesse sentido, os videoclipes são narrativas audiovisuais através das quais sentidos do mundo são disputados. E, como Barreto mostra, no espaço do videoclipe, ninguém soube fazê-lo tão bem quanto a comunidade LGTBQIA+.

Leia também

Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP