/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

Para se fazer ouvir e ler

Julie Dorrico. Foto: Divulgação.

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada dos lugares comuns entre primitivo e avançado ou qualquer coisa que o valha. Como Julie Dorrico bem fala, são formas escolhidas e aproveitadas por representantes das populações originárias, junto com o livro e a escrita alfabética, de se fazerem ouvir.

E o recado dado é mais do que urgente. Não se trata apenas das denúncias de uma violência genocida e secular, nem da afirmação de vida e resistência, mas da sua combinação, que enforma toda uma visão de mundo, com a qual é indispensável aprender. O duplo signo da ameaça constante e da tenacidade necessária é a forma de vida e imperativo ético contemporâneo por excelência.

A oficina “Indianismos na Literatura Brasileira”, ministrada pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, trouxe para primeiro plano o território de disputas que a figura do indígena tem ocupado no imaginário brasileiro, desde o século XIX, quando foi apropriado como ferramenta de construção de uma identidade nacional, até a contemporaneidade, momento em que novos autores e novas autoras assumiram o protagonismo das suas próprias histórias, denunciando o genocídio que os povos originários têm sofrido e reconstruindo as linhas de sua ancestralidade.

Nesse processo, a crítica literária, como mostrou Fabio Casemiro, é ferramenta fundamental de compreensão desse fenômeno, como fica claro nos textos disponibilizados. Somente por meio da leitura cuidadosa é que se pode inferir todas as contradições desse processo de apagamentos, violências e sobrevivências.

Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!