Publicações | Destaques

Para se fazer ouvir e ler

Julie Dorrico. Foto: Divulgação.

Em plena pandemia, que já consome um ano e meio de nossas vidas, isso sem contar aquelas criminosamente ceifadas para sempre, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, em mais uma edição das oficinas de literatura, une a ancestralidade da literatura indígena à modernidade dos cursos à distância. Mas nada dos lugares comuns entre primitivo e avançado ou qualquer coisa que o valha. Como Julie Dorrico bem fala, são formas escolhidas e aproveitadas por representantes das populações originárias, junto com o livro e a escrita alfabética, de se fazerem ouvir.

E o recado dado é mais do que urgente. Não se trata apenas das denúncias de uma violência genocida e secular, nem da afirmação de vida e resistência, mas da sua combinação, que enforma toda uma visão de mundo, com a qual é indispensável aprender. O duplo signo da ameaça constante e da tenacidade necessária é a forma de vida e imperativo ético contemporâneo por excelência.

A oficina “Indianismos na Literatura Brasileira”, ministrada pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, trouxe para primeiro plano o território de disputas que a figura do indígena tem ocupado no imaginário brasileiro, desde o século XIX, quando foi apropriado como ferramenta de construção de uma identidade nacional, até a contemporaneidade, momento em que novos autores e novas autoras assumiram o protagonismo das suas próprias histórias, denunciando o genocídio que os povos originários têm sofrido e reconstruindo as linhas de sua ancestralidade.

Nesse processo, a crítica literária, como mostrou Fabio Casemiro, é ferramenta fundamental de compreensão desse fenômeno, como fica claro nos textos disponibilizados. Somente por meio da leitura cuidadosa é que se pode inferir todas as contradições desse processo de apagamentos, violências e sobrevivências.

Leia também

Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP