Publicações | Destaques

Quem quer brincar de livro?

Foto: Equipe SP Leituras

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.

Mas livro também é objeto e às vezes objeto de arte, por sua beleza física. Livro tem cheiro, tamanho, paleta. Para criancinhas tem até sabor... Faz diferença ler um capítulo de Graciliano Ramos em papel jornal, em letras miúdas? A leitura é mais gostosa se o papel for grosso, táctil, palavras espaçadas com desenhos de Aldemir Martins?

Em muitos casos, não apenas faz toda diferença como a materialidade do livro é sua própria identidade. É o que buscou discutir Fabiano Fernandes Garcez na oficina "Um brinquedo chamado livro: as possibilidades do livro infantil que extrapolam a narrativa escrita". Dela, brotaram mil reflexões que, sem ignorar o conteúdo verbal, revelaram que cores, formas e gramaturas influem na percepção do leitor.

Tudo isso entra em jogo em livros ditos adultos, tais como "Vidas secas". Mas na arte de fazer livros infantis, parece imprescindível que a palavra impressa conte com sugestões de volume e profundidade. Páginas de Lygia Bojunga Nunes ou Antonio Prata funcionando como salão de festa para olhos, corações e mentes. Neste mês em que temos o Dia Nacional do Livro Infantil, em 18 de abril, venha brincar de livro!


Leia também

Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP