Publicações | Destaques

Um salve a quem ensina!

Foto: Equipe SP Leituras

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigoso para o pobre ou para o não especialista. 

Em O triste fim de Policarpo Quaresma, Lima Barreto combate tal crença, útil a quem deseja subjugar o povo pela ignorância. Quando o Major Quaresma passa a estudar e a constituir acervo de obras, herda o desafeto do Doutor Segadas, que não admitia livros em mãos de quem não fosse formado em faculdade. Denuncia ele os endinheirados sem espírito coletivo, em geral medíocres mas bem “arranjados”, a defender que leitura enlouquece. É a sua fina ironia para provar, por inversão, que leitura, na real, esclarece.

A oficina Professores personagens da literatura: textos sobre outros textos, ministrada por Lilian do Rocio Borba, tratou de dar vida a mestres e mestras que, tendo nascido em páginas literárias, almejam a dignificação do humano, movem-se pela justiça. Bibiana, de Torto Arado, abre as janelas da literatura e da vida a seus alunos, seus iguais no mundo. Já Alice, de Quarenta Dias, costura extremos. A viagem do autoconhecimento é da menina, mas também da senhora aposentada, cujo valor não se encerra numa conta da previdência social. 

No fundo, uma delicada homenagem ao 15 de outubro, Dia do Professor. Essas personagens, homens e mulheres, que nos ensinam a ler sonhos, a ter ciência da injustiça. Desrespeitados pelos que ganham com a cegueira do hoje, são amados por quem descobrirá o amanhã. Um salve a quem ensina!


Leia também

Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!
Arquitetura literária

O projeto Literatura Brasileira no XXI fala, este mês, sobre as relações entre literatura e arquitetura modernistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 não apresentou obras ou projetos arquitetônicos. Mas as conexões aconteceram por diversas vias. O apreço de alguns modernistas pelo casario de Our...

Leia Mais!
O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Governo do Estado de SP