/ governosp

Notice: Undefined variable: autor in /home/lbxxiorg/public_html/publicacoes/ver.php on line 19

Publicações | Destaques

Um salve a quem ensina!

Foto: Equipe SP Leituras

Para quase todos, as primeiras letras e palavras começam na escola. O amor pela leitura de livros e de seres também costuma vir pelas mãos de professores, mesmo quando há falta de bibliotecas, pouco incentivo familiar e social, preço impeditivo do livro e, pior, vinga a ideia de que ler é perigoso para o pobre ou para o não especialista. 

Em O triste fim de Policarpo Quaresma, Lima Barreto combate tal crença, útil a quem deseja subjugar o povo pela ignorância. Quando o Major Quaresma passa a estudar e a constituir acervo de obras, herda o desafeto do Doutor Segadas, que não admitia livros em mãos de quem não fosse formado em faculdade. Denuncia ele os endinheirados sem espírito coletivo, em geral medíocres mas bem “arranjados”, a defender que leitura enlouquece. É a sua fina ironia para provar, por inversão, que leitura, na real, esclarece.

A oficina Professores personagens da literatura: textos sobre outros textos, ministrada por Lilian do Rocio Borba, tratou de dar vida a mestres e mestras que, tendo nascido em páginas literárias, almejam a dignificação do humano, movem-se pela justiça. Bibiana, de Torto Arado, abre as janelas da literatura e da vida a seus alunos, seus iguais no mundo. Já Alice, de Quarenta Dias, costura extremos. A viagem do autoconhecimento é da menina, mas também da senhora aposentada, cujo valor não se encerra numa conta da previdência social. 

No fundo, uma delicada homenagem ao 15 de outubro, Dia do Professor. Essas personagens, homens e mulheres, que nos ensinam a ler sonhos, a ter ciência da injustiça. Desrespeitados pelos que ganham com a cegueira do hoje, são amados por quem descobrirá o amanhã. Um salve a quem ensina!


Leia também

Modernismo em português: três continentes

Em dezembro, o projeto Literatura Brasileira no XXI conclui o ciclo de oficinas conectadas à Semana de Arte Moderna de 1922. Foram ao todo doze, sempre tratando os mais diversos aspectos, dos antecedentes, passando pelo impacto do evento na imprensa da época, até sua influência em outros países da...

Leia Mais!
Modernismo: o negro

Em novembro, o dia da Consciência Negra sempre leva o projeto Literatura Brasileira no XXI às potências afros de nossa cultura literária. No caso específico da Semana de Arte Moderna de 1922, é fato que os negros eram poucos na audiência, e mesmo na proa do Movimento Modernista predominava a gen...

Leia Mais!
A (anti)festa do manifesto

Outubro marca alguns fatos decisivos da história brasileira. O mês testemunhou, por exemplo, a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas contra as oligarquias agrárias; a eleição turbulenta de Juscelino Kubitschek em 1955; a promulgação da Constituição de 1988, resposta da sociedade à...

Leia Mais!
Modernista e cristão

O projeto Literatura Brasileira no XXI joga luz sobre algo que, de tão óbvio, é pouco abordado: o modernista, em regra, era profundamente cristão. Tal se dá por vários ângulos, a começar da formação católica de quase todos. Assim, para além dos que se alardearam convertidos, como Murilo Men...

Leia Mais!
Modernismo veste

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca algo às vezes esquecido quando pensamos em arte: com que roupa um artista andava ou como o figurino compunha sua imagem publica? Na década de 1920, quando o vestir era algo antes personalizado que industrial, os trajes codificavam classes sociais, traduz...

Leia Mais!
América Latino-Modernista

O projeto Literatura Brasileira no XXI descortina o modernismo em língua espanhola pelas Américas. Antes da Semana de 1922, países próximos e às vezes fronteiriços já chamavam a arte que produziam de modernista. O escritor nicaraguense Rubén Dário empregava o termo desde 1888. Ano da Lei Á...

Leia Mais!